Conheça mais sobre Aditivos para Alimentação Animal e sua regulamentação

Segundo definição do MAPA, os aditivos para alimentação animal são substâncias, microorganismos ou produtos formulados, que podem ser adicionados aos produtos, contendo ou não valor nutritivo e que tem como objetivo a melhoria das características dos produtos, melhorando o desempenho dos animais sadios ou que atenda às necessidades nutricionais.

A finalidade dos aditivos é a de facilitar a dispersão dos ingredientes e melhorar o crescimento dos animais, preservando as características nutricionais das rações.

Quer saber mais sobre aditivos para alimentação animal? Então leia este artigo para tirar suas dúvidas.

O que são aditivos e quais seus benefícios para alimentação animal

Aditivo é qualquer substância, micro­organismo ou produto formulado, adicionado intencionalmente aos produtos, que não é utilizada normalmente como ingrediente, tenha ou não valor nutritivo e que melhore as características dos produtos destinados à alimentação animal ou dos produtos animais, melhore o desempenho dos animais sadios e atenda às necessidades nutricionais. 

Por isso eles são adicionados à alimentação animal com vários propósitos e de acordo com cada espécie animal. Assim, os objetivos do uso de aditivos para pets (animais de estimação) serão bem distintos de animais cuja função seja fornecer matéria prima para alimentação humana (carne, leite, ovos, etc). 

De forma geral, os aditivos para alimentação animal oferecem benefícios voltados para:

  • Modificar e/ou melhorar o desempenho do animal
  • Aumentar a produção sem precisar aumentar custos
  • Melhorar a qualidade de rações
  • Aumentar a oferta de alimentos que atendam à nutrição animal
  • Reduzir a mortalidade.

Classificação dos aditivos para alimentação animal

Os Aditivos, de acordo com suas funções e propriedades, poderão ser classificados em uma ou mais das seguintes categorias:

  • Tecnológicos: são produtos feitos para alimentação animal com fins tecnológicos.
  • Sensoriais: esses produtos tem o intuito de melhorar e/ou modificar as propriedades organolépticas ou visuais.
  • Nutricionais: possuem o objetivo de melhorar ou manter as propriedades nutricionais do alimento.
  • Zootécnicos: são usados para afetar de forma positiva o desempenho dos animais, ou ainda, segundo o modelo europeu, afetar favoravelmente o ambiente de criação.

Vale destacar que os aditivos de alimentação animal possuem grupos funcionais para cada uma das quatro categorias acima, totalizando 22 grupos funcionais, conforme descrito abaixo: 

  • Tecnológicos: incluem os grupos funcionais citados adiante.
  • Sensoriais: corante e pigmentante, aromatizante, palatabilizante.
  • Nutricionais: vitaminas, provitaminas e substâncias de efeitos similares, oligoelementos ou compostos de oligoelementos, aminoácidos, uréia e seus derivados.
  • Zootécnicos: digestivo, equilibradores da flora, melhoradores de desempenho.

Essas classificações estão de acordo com a Instrução Normativa nº 13 de 2004 do MAPA e suas atualizações e com a legislação europeia do EC – European Parliament and Council Regulation nº 1831/2003.

Destaque para Aditivos Tecnológicos

Das categorias citadas anteriormente, uma das que tem ganhado mais destaque e investimentos são os aditivos tecnológicos.

Esse tipo de aditivo tem o objetivo de promover ainda mais eficiência nos processos de produção animal, procurando aumentar a competitividade e lucratividade. 

Os aditivos tecnológicos são divididos de acordo com suas propriedades. São classificados em:

  • Adsorvente
  • Aglomerante
  • Antiaglomerante
  • Antioxidante
  • Antiumectante
  • Umectante
  • Conservante
  • Emulsificante
  • Estabilizante
  • Espessante
  • Gelificante
  • Regulador de acidez

Legislação vigente 

Assim, para que se possa utilizar um aditivo alimentar na alimentação animal é necessário que eles estejam devidamente aprovados pela legislação Brasileira para a função e espécie animal desejada. 

Caso eles não constem da lista positiva Brasileira, não poderão ser comercializados antes de uma análise prévia do MAPA, sendo necessário que a empresa interessada peça a sua inclusão comprovando a segurança de uso do aditivo. Esse procedimento requer a preparação de um processo, contendo documentos e diversas informações,  estudos laboratoriais, etc. e para tanto, requer profissionais especializados para compor esse processo. 

É importante lembrar que os aditivos, demais ingredientes, o produto final (ração para Alimentação Animal), assim como a empresa que vai fabricar, importar e exportar, precisam estar devidamente aprovadas e registradas junto ao MAPA. Por isso, é muito importante estar em dia com as questões regulatórias quando se trata deste segmento. 

Pensando nisso, nós do Grupo Vigna Brasil, temos 25 anos de experiência em assuntos regulatórios e uma equipe altamente especializada em diversos segmentos de insumos, inclusive essa de Alimentação Animal.Este artigo ajudou você a entender melhor sobre aditivos para alimentação animal, sua importância e benefícios? Visite nosso website e confira nossos serviços. Ficamos à disposição para atendê-los em suas necessidades.