Saneantes: o que são e quais as classificações na ANVISA

Novos produtos de higiene e limpeza estão surgindo desde que a pandemia do coronavírus se espalhou pelo mundo, como os saneantes. Além da higiene das mãos, principal meio de contaminação da doença, o reforço na limpeza da casa, ambientes comerciais e de embalagens de compras devem ser um foco para a prevenção contra a propagação do vírus.

Por serem amplamente utilizados pela população, a procura por produtos de limpeza aumentou consideravelmente durante o período de quarentena. Assim, demanda por água sanitária e alguns produtos antibacterianos teve alta nos mercados. Devido a isto, a expectativa é de que haja um crescimento aproximado de 3% na produção de saneantes em 2020, segundo a Anvisa. Leia mais sobre o assunto!

O que são saneantes?

Saneantes são produtos destinados à aplicação em objetos, tecidos, superfícies inanimadas e ambientes no geral. Além disso, o objetivo é de desinfestação, desinfecção, esterilização, sanitização, odorização e desodorização de ambientes para uso coletivo e também no tratamento da água.

Quais os tipos mais comuns?

Água sanitária, alvejantes, detergentes, limpa vidros, amaciantes, sabão, removedores, produtos de tratamento de água para piscina, inseticidas, raticidas, repelentes, entre outros, são exemplos mais comuns de saneantes. E você sabia que todos esses necessitam de regularização junto à Anvisa?

É muito importante que os produtos estejam regularizados. Para isso, devem atender alguns critérios e serem comprovadamente seguros para uso da população.

Quais são as classificações pela Anvisa?

A Anvisa classifica os saneantes quanto ao risco, finalidade, venda e emprego. Assim, durante a avaliação dos produtos, são considerados variantes como:

  • Toxicidade das substâncias e suas concentrações no produto;
  • Finalidade e condições de uso;
  • Nível de exposição da população;
  • Ocorrências de eventos adversos;
  • Venda livre (produto vendido diretamente ao consumidor) ou uso profissional com venda restrita (produtos de uso institucional e que devem ser aplicados por profissionais/empresas especializadas).

Assim, essas e outras avaliações são consideradas para determinar se o risco será em menor ou maior grau para o mercado consumidor.

Classificação com base no risco

  • Risco 1

Produtos que não contenham em sua formulação ácidos inorgânicos, tenham baixa toxicidade, não apresentam características de corrosividade, atividade antimicrobiana, ação desinfetante e não sejam a base de microrganismos viáveis.  

  • Risco 2

Produtos que tenham características de corrosividade, atividade antimicrobiana, ação desinfetante, ação desinfestante e que sejam a base de microrganismos viáveis.

 Classificação dos saneantes pela finalidade

  • Limpeza geral e afins;
  • Desinfecção, desodorização, esterilização, sanitização e desinfecção de água para consumo humano, hortifrutícolas e piscinas;
  • Desinfestação.

  Classificação com base na venda e emprego

  • Venda Livre

Produto vendido diretamente ao consumidor, disposto nos diversos pontos de venda, como por exemplo, o atacarejo.

Afinal, este tipo de produto pode ser utilizado pela população em geral, que deve estar atenta ao disposto na rotulagem de cada item.

  • Venda restrita

São os produtos de uso profissional com venda restrita, que devem ser vendidos somente para empresas/indústrias. E, por serem de uso institucional, devem ser aplicados por profissionais/empresas especializadas.

Todos os saneantes precisam ser regularizados? 

Para serem vendidos, a Anvisa exige que as empresas desenvolvam produtos saneantes seguros e que tenham um rigoroso controle de qualidade durante os processos de produção, manuseio, importação, armazenagem e distribuição. Assim, todos os fabricantes e/ou importadores são obrigados a seguir as normas legais e técnicas com rigor.

Atualmente, por conta dos reflexos da pandemia da Covid-19, os saneantes têm demonstrado a sua importância na higienização e desinfecção de nossos lares e dos locais que frequentamos. Afinal, segundo a Nielsen, com a mudança nos hábitos de limpeza, houve aumento no consumo de produtos como água sanitária, desinfetantes e álcool para limpeza. Produtos estão sendo vendidos principalmente através do e-commerce, tendência que deve se manter para esse e vários outros tipos de produtos.

Porém, é importante ressaltar que ainda há oferta de produtos clandestinos no mercado. Ou seja, produtos sem a avaliação e autorização da ANVISA que, apesar de terem um preço convidativo, podem causar risco à saúde dos consumidores.

Gostou de conhecer os saneantes? Agora, se você tem interesse em comercializar um produto saneante que ainda não está regularizado, fale com nossa Divisão de Saneantes e evite que seu produto seja comercializado de forma irregular.

en_USEN
pt_BRPT en_USEN